Candeias: Inquérito Civil indicia PMs que mataram artista por crime doloso

344

O delegado titular da 20ª Delegacia Territorial de Candeias, Marcos Laranjeiras, concluiu o inquérito policial civil, o encaminhou para a Vara Crime da Comarca cidade indiciando, por homicídio doloso (com intenção de matar), os três policiais militares que estavam de plantão no dia da morte do artista plástico Manoel Arnaldo dos Santos Filho.

O fato aconteceu na noite no dia 21 de abril deste ano quando artista plástico Nadinho, como era carinhosamente chamado, estava em casa e foi morto de forma brutal e covarde, gerando grande comoção popular.

Os três policiais militares envolvidos, que estão afastados das atividades são os soldados, Edvaldo Nunes de Almeida, Leandro Santos Xavier e Dinalvo dos Santos Paixão. Os três são lotados na 10ª Companhia Independente (CIPM), e foram enquadrados no artigo 121 do Código Penal (Matar alguém: Pena – reclusão, de seis a vinte anos. § 1º Se o agente comete o crime impelido por motivo de relevante valor social ou moral, ou sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a injusta provocação da vítima, o juiz pode reduzir a pena de um sexto a um terço).

Com a conclusão do inquérito, a peça vai ser analisada pela Justiça Criminal que pode levar os policiais militares a julgamento. O presidente do inquérito policial foi o delegado Marcos Laranjeira, titular da 20ª DT Candeias.

COMPARTILHAR