Governo promete 600 mil unidades do Minha Casa Minha Vida

39

O governo federal anunciou ontem medidas para aquecer o setor da construção civil e aumentar a oferta de moradias no país. A principal delas é a retomada de obras e contratações de imóveis do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida. De acordo com o ministro das Cidades, Bruno Araújo, serão construídas 600 mil unidades destinadas à população de baixa renda em todo o país com recursos subsidiados pela União no ano que vem. Os imóveis vão beneficiar pessoas que se enquadram em todas as faixas de renda mensal do programa, que variam de até R$1.800 a R$6.500.

Minha Casa 03O presidente interino Michel Temer (PMDB) informou ontem também que serão retomadas as obras de 10.609 unidade da faixa 1 do programa habitacional, para famílias com renda de até R$1.800. O anúncio foi feito em encontro, no Palácio do Planalto, com empresários e empregados da construção civil. Lançado durante o governo Lula, o programa Minha Casa Minha Vida visa facilitar a compra da casa própria por famílias de baixa renda e com subsídios.

Já para a nova faixa intermediária, que finalmente sairá do papel, a chamada 1,5, estão previstas 40 mil novas unidades para quem tem renda de até R$ 2.350. Neste caso, o desconto no financiamento dado pelo governo chega a R$ 45 mil, conforme a localização do imóvel adquirido. O governo federal estima que a faixa 1,5 esteja disponível a partir do mês que vem.  Para esse grupo serão destinados R$ 3,8 bilhões, sendo R$ 1,4 bilhão em subsídios e de R$ 2,4 bilhões em financiamentos do FGTS. Os recursos são para para imóveis de até R$135 mil, a uma taxa de 5% de juros ao ano.

Faixas superiores

Segundo Araújo, a pretensão é que das 600 mil unidades previstas para o ano que vem, 400 mil moradias contratadas sejam destinadas a famílias com renda mensal entre R$2.351 e R$ 6.500, ou seja, nas faixas 2 e 3 do programa habitacional.

A contratação será feita ainda em 2016 e as obras ocorrerão em 2017. Serão destinados recursos adicionais de R$ 7 bilhões a famílias enquadradas nas faixas superiores do programa.

Obras custam ‘apenas’ R$ 1,8 bilhão

O presidente interino Michel Temer afirmou ontem que a retomada e conclusão de 1.519 obras de infraestrutura que estavam paradas vão custar “apenas” R$ 1,8 bilhão. Essas obras abrangem vários projetos.  O peemedebista disse que “há coisas que são de uma leveza orçamentária extraordinária”. Ele citou o exemplo recente da autorização que deu para aviões da Força Aérea transportarem órgãos para transplante.

Minha CasaFaixa 1

A faixa 1 é destinada a famílias com renda mensal bruta de até R$ 1.800. Os valores dos imóveis variam de acordo com a localidade. E podem ser custeados até 90% do valor pelo programa. O imóvel pode ser pago — sem juros – em até 120 prestações de, no máximo, R$ 270.

Faixa 1,5

Destinada a famílias com renda até R$ 2,35 mil, a Faixa 1,5 oferece subsídios de até R$ 45 mil para financiamento de imóveis até R$ 135.000,00, dependendo da sua localização, a uma taxa de 5% de juros ao ano.

Faixa 2

Já a Faixa 2 destina-se a famílias com renda entre R$ 2,35 mil e R$ 3,6 mil. Nela, o subsídio é de até R$ 27,5 mil, com juros entre 5,5% a 7% ao ano para o valor financiado.

Faixa 3

A Faixa 3 é para famílias com renda bruta ente R$3,6 mil e R$ 6,5 mil, a taxas de até 8,16% ao ano.

COMPARTILHAR