Óleo diesel baixa somente em 12 estados e DF; gás de cozinha em apenas 6

154

 Na Bahia, o preço médio do diesel não baixou assim como também o do gás de cozinha

O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) publicou no Diário Oficial da União nova tabela com os preços de combustíveis a serem usados como o valor médio ao consumidor. Doze estados e o Distrito Federal reduziram o chamado preço médio ponderado ao consumidor final (PMPF) do óleo diesel.

Foram eles: Acre, Amazonas, Amapá, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Roraima, Rio Grande do Sul, Sergipe e Tocantins. Os novos valores devem começar a ser praticados no dia 1o de julho e fazem parte dos esforços para garantir a redução dos preços dos combustíveis, prometida para pôr fim à greve dos caminhoneiros, no mês passado. O PMPF serve de base para o recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) feito pelas refinarias.

Em relação ao óleo diesel, o estado que efetivou a menor redução foi Mato Grosso do Sul, onde a queda no preço médio por litro foi de R$ 0,27. O valor passou de R$ 3,65 para R$ 3,38. Em segunda lugar quanto à redução, está o estado do Amazonas. Lá, o preço passou de R$ 3,59 para R$ 3,36. Entre os que reduziram, os mais tímidos foram Rio Grande do Sul (R$ 0,01) e Acre (R$ 0,09), que é também o estado com média mais elevada: R$ 4,17 o litro do óleo diesel.

O gás liquefeito de petróleo (GLP), o conhecido gás de cozinha, ficou mais barato em apenas seis estados: Acre, Amazonas, Rio de Janeiro, Roraima, Sergipe e São Paulo. As reduções mais expressivas se deram no Rio de Janeiro (R$ – 0,13 por quilo), Sergipe (R$ – 0,11) e São Paulo (-0,10).

O Confaz é constituído pelos secretários de Fazenda, Finanças ou Tributação de cada estado e do Distrito Federal. É presidido pelo ministro da Fazenda. O objetivo do Confaz é adotar medidas para aperfeiçoar a política fiscal dos estados e torná-la compatível com as leis da Federação.

COMPARTILHAR