Rejeição de 50% faz Collor desistir de disputar o governo de Alagoas

144

O ex-presidente Fernando Collor de Mello (PTC) anunciou na sexta-feira (14) a desistência da disputa pelo governo de Alagoas. Ele era o principal nome da oposição ao governador Renan Filho (MDB), que concorre à reeleição.

Em um vídeo publicado nas redes sociais, Collor alegou falta de reciprocidade dos aliados para justificar a sua decisão.

“Todos sabem o meu destemor. Cumpro minha palavra, mas peço reciprocidade. Na ausência dela perde sentido a missão a mim atribuída. Sem unidade, perde a candidatura o seu significado de existência”, afirmou.

Collor entrou na disputa pelo governo de Alagoas amparado por uma coligação com oito partidos, incluindo as principais siglas da oposição, como PSDB, PP, DEM e PSB.

Contudo, a impopularidade do ex-presidente -rejeição de 50%, segundo pesquisa Ibope divulgada em agosto- fez com que grande parte dos candidatos a deputado da coligação buscassem não se associar à candidatura de Collor.

Um dos candidatos a senador da chapa, o deputado estadual Rodrigo Cunha (PSDB), fazia campanha de forma independente e não subia no mesmo palanque que o ex-presidente.

“Não vou fazer uma campanha ao lado de pessoas que para mim deveriam estar na cadeia”, disse Cunha à Folha de S. Paulo há duas semanas.

Presidente do Brasil entre 1990 e 1992, quando deixou o cargo após ser alvo de um processo de impeachment, Collor disputava o governo de Alagoas pela terceira vez.

COMPARTILHAR