Repercussão da queda de Eduardo Cunha

38

A renúncia do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), alvo da Operação Lava Jato, foi vista pela presidente afastada Dilma Rousseff e por ex-ministros como uma “jogada” para tentar salvar o mandato dele. Em conversas reservadas, Dilma, o ex-presidente Lula e dirigentes do PT avaliaram que Cunha fez acordo com o presidente em exercício Michel Temer e também com o PSDB, para costurar o arquivamento do pedido de cassação.

Dilma 03O ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, advogado de Dilma, disse que vai anexar o pronunciamento de Cunha no processo de defesa da presidente afastada.

Depois de o deputado afastado Eduardo Cunha anunciar a renúncia ao cargo de presidente da Câmara na quinta-feira (7), o presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), decidiu convocar a eleição para definir o novo presidente da Câmara para quinta-feira (14), mas as lideranças decidiram derrubar a decisão e antecipar para terça-feira (12), às 16 horas.

O deputado Fausto Pinato (PP-SP) registrou oficialmente na quinta-feira (7), na Secretaria-Geral da Mesa, a candidatura à presidência da Câmara dos Deputados. Ele é o primeiro candidato a se registrar, após o deputado afastado Eduardo Cunha renunciar ao cargo de presidente da Câmara.

O prazo de registro vai até meio-dia de quinta-feira (12). A eleição começará às 16h do mesmo dia, segundo decisão anunciada pelo presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA).

A eleição será secreta e ocorrerá por meio do sistema eletrônico. Para que haja quórum para o pleito, a maioria dos deputados deve estar presente à sessão (257 dos 513 parlamentares).

CCJ

Com a antecipação da eleição, o pleito vai ser realizado no mesmo dia em que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) tem reunião marcada para votar o parecer de um recurso de Cunha. O parecer do deputado Ronaldo Fonseca (PROS-DF) recomenda que seja realizada uma nova votação processo que pede a cassação de Cunha no Conselho de Ética.

Presidência

Eduardo Cunha quer emplacar um novo candidato à presidência da Câmara que lhe seja favorável. No Congresso, onde é dado a artimanhas políticas, ninguém duvida: a renúncia, agora anunciada, à presidência da Câmara é parte de mais um plano de Eduardo Cunha. O objetivo final é salvar o mandato de deputado, evitando que os processos contra ele acabem nas mãos do mais temido juiz entre políticos: Sérgio Moro, do Paraná.

Eduardo Cunha 05Acenção e queda de Cunha

No Rio de Janeiro

1991 – Nomeado para comandar a Telerj / relações com PC Farias e Collor

1993 – Exonerado da Telerj

1999 – Presidente da Cehab (Companhia Estadual de Habitação) e atuação com Antony Garotinho

2000 – Afastado da Cehab

Em Brasília

2003 – Assume o primeiro mandato de deputado federal

2015 – Assume a presidência da Câmara

2016 – Renuncia à presidência da Câmara

COMPARTILHAR