Salvador: Novas mudanças em linhas de ônibus começam amanhã (16)

163

A Prefeitura dá início à primeira etapa da terceira fase do plano de reestruturação das linhas de ônibus urbanos da cidade, neste sábado (16). Nesta etapa, as mudanças vão envolver as comunidades Daniel Lisboa, Lapa, Caixa D’Água, Cidade Nova e Praia do Flamengo, e beneficiarão 11 roteiros. Alguns deles são Daniel Lisboa – Lapa/Campo Grande; Lapa – Vale do Canela/Campo Grande; Caixa D’Água – Barroquinha; Praia do Flamengo – Lapa e Praia do Flamengo – Jardim de Alah.

Com o objetivo de proporcionar mais conforto aos usuários, a Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob) criará uma linha para ligar a Lapa ao Vale do Canela e reforçará outras quatro que partem da Praia do Flamengo com destino à Praça da Sé e à Estação Mussurunga. Com as alterações, o roteiro Praia do Flamengo – Estação Mussurunga R1, que antes realizava 54 viagens por dia, passará a fazer 80 viagens diariamente. E a linha Praia do Flamengo – Estação Mussurunga R2 passará a ter oito viagens diárias a mais.

Outra mudança envolve a linha Caixa D’Água – Lapa, que terá o atendimento substituído. Os passageiros poderão utilizar a linha Caixa D’Água/Cidade Nova – Terminal Acesso Norte e, a partir de lá, integrar com o metrô até o Terminal da Lapa. Com isso, o tempo de espera pelo ônibus cairá de 20 para 8 minutos e o número de viagens aumentará de 40 para 85 por dia. Quem mora em Brotas e regiões próximas vai se beneficiar da integração entre as linhas Daniel Lisboa – Lapa e Lapa – Vale do Canela/Campo Grande. A mudança vai proporcionar um tempo de espera de 10 minutos e 77 viagens por dia.

Reestruturação – A terceira fase de reestruturação do Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus da cidade está dividida em duas etapas. A próxima está programada para ocorrer no próximo dia 23. A reestruturação das linhas de ônibus em Salvador teve início no dia 12 de outubro, quando o Terminal Acesso Norte passou a ser um ponto de baldeação de veículos oriundos de diversas localidades da cidade. Para que os efeitos da remodelação fossem sentidos de maneira gradativa, a Semob dividiu as mudanças em quatro fases de trabalho, que se estendem até fevereiro de 2018.

A Semob lembra que a integração municipal tem o condão de enfrentar três problemas crônicos que acometiam o sistema de transporte público: o tempo de espera nos pontos de ônibus; a duração da viagem, que era considerada longa; e a lotação dos veículos no horário de pico. Para solucioná-los, a Semob aumentou a quantidade de viagens. “Todos os bairros que passaram pela reestruturação das linhas ganharam mais viagens e tiveram um ganho de tempo de no mínimo 50%. Agora, o tempo médio de espera nos pontos é de 15 minutos”, afirma o secretário Fábio Mota.

COMPARTILHAR