Serra Preta: Prefeito promete, mas não paga piso para agentes de saúde

475

O prefeito Rogério Serafim (Aldinho), de Serra Preta, cidade na Bacia do Jacuípe a 155 km de Salvador, além dos outros desmandos e descasos que comete na cidade, também não cumpre promessa nem quer obedecer leis federais como pagar piso nacional de salários e contratar sem concurso guardas municipais. Por ironia e detalhe, o alcaide também é servidor público.

No mês passado, o ‘prepotente alcaide’ não pagou aos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) o piso nacional do salário de R$ 1.250, para trabalhadores concursados que colaboram e ajudam, e muito, na saúde e na qualidade de vida da população, principalmente, de baixa renda.

Na última sexta-feira, 8, o vice-presidente da Associação dos Agentes Comunitários de Saúde e Endemias, Reginaldo Santos, esteve na sessão extraordinária da Câmara de Vereadores que votou a obrigação de concurso público para guardas municipais, proibiu Aldinho trazer o lixo de Anguera para Serra Preta e negou um cheque em branco no orçamento não concedendo a suplementação, o que permitiria o ‘alcaide’ gastar como quisesse o suado dinheiro dos serra-pretenses, o que faz com o caso do nepotismo cruzado com parentes dele empregados em Anguera e dessa cidade em Serra Preta e que ainda são fantasmas porque não trabalham,.

O dirigente sindical disse na Tribuna Câmara que ouviu de Aldinho que iria pagar os R$ 1.250 em janeiro, e não os R$ 1.014, salário de dezembro. Segundo Reginaldo, o prefeito esperava apenas receber a verba complementar do governo federal. Mas, recebeu e não pagou o acréscimo de R$ 136 para os agentes, o que faz muita diferença na mesa e no dia-a-dia desses funcionários, que lotaram o auditório da casa legislativa para exigir dos vereadores uma posição. Até a base de Aldinho ficou triste e sem palavras com o ato do prefeito.

Yancey Cerqueira

Radialista DRT/BA 06

COMPARTILHAR