Terreiro Tumba Junsara é tombado como patrimônio cultural

413
Foto: Carolina di Lello / Divulgação

O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), determinou o tombamento nacional dos terreiros de candomblé Ilê Obá Ogunté Sítio de Pai Adão, do Recife, e Tumba Junsara, de Salvador, que fica na Ladeira da Vila América, nº 2, Travessa nº 30, na Avenida Vasco da Gama, no bairro do Engenho Velo da Federação. As decisões foram unânimes e ocorrerem após dois dias de reuniões no Rio de Janeiro.

Durante esse período, também foi determinado o tombamento do acervo Arthur Bispo do Rosário e o registro, como patrimônio imaterial, da literatura de cordel, do Sistema Agrícola do Vale do Ribeira (SP) e da Procissão do Senhor dos Passos, de Florianópolis (SC).

Datado de 1875, o Sítio de Pai Adão foi fundado por Inês Joaquina da Costa, ou Tia Inês, que era nigeriana. Originalmente, ele se chamava Obá Omi. Anos depois, foi rebatizado em homenagem a Pai Adão, que ajudou a fundar outros terreiros pelo Recife.

Já o Tumba Junsara é de tradição Angola e foi fundado em 1919 pelos irmãos Manoel Rodrigues e Ciriaco. “Uma característica da Nação Angola, por exemplo, é a presença de um culto específico em reverência aos ancestrais indígenas”, explica texto do Ministério da Cultura.

COMPARTILHAR