Aumento do custo da internet supera 8,5% em um mês

162

O índice do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que mede a variação de preços para o acesso à internet no Brasil teve variação de 8,51% em agosto, segundo pesquisa mensal divulgada nesta semana. Com o aumento, a inflação para a internet superou a variação de preços geral da economia, que acumula 0,7% desde janeiro.

O acesso à internet é um subitem do grupo comunicação, um dos componentes do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), indicador oficial para a inflação no Brasil.

Ao divulgar a variação do IPCA, que foi de 0,24% em agosto, o IBGE explicou que o aumento do índice preços para o acesso à internet se deu por causa do reajuste de uma das empresas do setor, que têm o sigilo resguardado para colaborar com a pesquisa mensal de preços.

O aumento de agosto foi o único registrado em 2020 para o acesso à internet, já que os reajustes são anuais e contratuais. Entre janeiro e julho, não houve variação de preços, com IPCA zero.

Tráfego de dados

O reajuste chega em um momento em que o isolamento social tem impacto no tráfego de dados na internet brasileira, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). No caso da internet banda larga fixa, o consumo de dados no segundo trimestre de 2020 cresceu 14% em relação ao primeiro trimestre do ano, alta que foi a maior da série histórica da Anatel. Por outro lado, o tráfego de dados na internet móvel caiu 2%, fato inédito no país.

Sindicato explica

O Sinditelebrasil (Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal) informou que os investimentos em telecomunicações subiram 4,3% no segundo trimestre de 2020, na comparação com os primeiros três meses do ano.

Com a alta, os investimentos somaram R$ 14,1 bilhões no primeiro semestre, superando a média de R$ 13,9 bilhões investida no mesmo período nos cinco anos anteriores.

De acordo com o Sinditelebrasil, o setor tem respondido bem aos impactos da pandemia de covid-19 na economia. O sindicato diz ainda que um dos principais entraves para que a internet se torne mais acessível no país é a carga tributária, que chega a 46,7% sobre os serviços prestados pelo setor.

Fonte: Agência Brasil

COMPARTILHAR