Avião que caiu com Marília vai passar por nova perícia

31

Bimotor foi retirado e será levado para o aeroporto de Caratinga, em Minas Gerais
O avião que caiu com Marília Mendonça e outras quatro pessoas na sexta-feira, 5, começou a ser retirado da zona rural de Caratinga, em Minas Gerais. Um guindaste ajudou nos trabalhos na manhã deste domingo, 7/11.
Ainda no sábado à noite, o bimotor foi retirado da cachoeira (e colocado em um terreno ao lado da própria cachoeira). Embora a ação estivesse prevista para acontecer neste domingo, a aeronave precisou ser retirada antes para evitar que uma possível cheia ou a incidência de chuvas no local prejudicasse o trabalho da perícia.
A empresa PEC Táxi Aéreo, dona do avião, recebeu autorização para levar os destroços da aeronave até o aeroporto de Caratinga, que fica a 2 km do local do acidente. No local, técnicos do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) irão realizar uma perícia mais detalhada na aeronave.
A cantora Marília Mendonça morreu aos 26 anos, na última sexta-feira. Além dela, morreram Henrique Ribeiro, produtor; Abicieli Silveira Dias Filho, tio e assessor; Geraldo Martins de Medeiros Junior, piloto do avião; e Tarcísio Pessoa Viana, copiloto. O grupo viajava de Goiânia a Caratinga, onde Marília faria uma apresentação.
Os corpos da cantora Marília Mendonça e de seu tio Abicieli Silveira Dias Filho foram sepultados ontem, no Cemitério Parque Memorial, em Goiânia, em uma cerimônia para familiares e amigos. O velório aconteceu no Ginásio Goiânia Arena e contou com a presença de milhares de fãs da cantora.
Investigação
Investigadores do Cenipa foram enviados a Minas Gerais a partir do Rio de Janeiro, onde funciona uma das bases regionais do órgão. A apuração da FAB busca identificar as causas do acidente para prevenir acontecimentos semelhantes. O apontamento de possíveis responsabilidades ficará a cargo da polícia.
No local, os investigadores da Aeronáutica ouvem testemunhas que possam dar informações sobre o trajeto. Também fotografam as cenas, reúnem documentos e retiram partes da aeronave para análises. Segundo a FAB, não existe um tempo previsto para a duração dessas primeiras medidas. O prazo depende da complexidade da ocorrência.
A Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) afirmou ontem que a linha de distribuição atingida pelo avião com a cantora Marília Mendonça pouco antes da queda está fora da zona de proteção do aeroporto de Caratinga.
O choque com a fiação elétrica é uma das causas levantadas para o acidente que matou os cinco ocupantes da aeronave. Os fios da região costumam atrapalhar o pouso dos aviões, a ponto de ela ser até mesmo evitada por quem conhece a área, relataram pilotos ouvidos.

COMPARTILHAR