BaVi mostra como a FBF levou o campeonato a ser um “Baianinho”

341

Sem nenhuma premiação por parte da FBF (que arrecada R$ 7 mi por ano)) diretorias desprezam o campeonato e colocam times B

O clássico vai ser realizado neste domingo, 1º/03, às 16h, no estádio Manoel Barradas, com as equipes Sub-23 da dupla BaVi pela sexta rodada do Campeonato Baiano, e a expectativa de público não passa dos 10 mil torcedores. Torcida única mais uma vez (agora rubro-negra).

Além das outras competições que as duas equipes disputam neste momento – Copa do Brasil, Copa Nordeste, Copa Sul-Americana (Bahia) – a falta de incentivo e ações que ajudem os clubes por parte da FBF (Federação Bahiana do Fracasso), levam as diretorias a priorizar torneios que possam aliviar e ajudar o caixa dos clubes, que recebem apenas a cota da TV (R$ 900 mil), o que representa 1/4 dos pequenos clubes do interior paulista ou metade dos times cariocas considerados menores nos estaduais.

Com uma gestão que beirou duas décadas e um sucessor que segue a linha da falta de criatividade, a FBF gasta mais com publicidade, diretoria ou advogados do que com os clubes que demonstram omissão e submissão.

Os clubes pagam todas as despesas dos jogos: arbitragem, policiamento, impressão de ingressos, lanche, e a FBF ainda recebe 5% de cada da renda. Tanto Bahia como Vitória pagam para jogar a competição e têm prejuízo.

A expressão do saudoso comentarista Armando Oliveira, Baianinho, mostra o que a gestão dos últimos anos da federação levou o tradicional Campeonato Baiano de mais de um século.

O ex-presidente FBF é um das dezenas de vice-presidentes da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), mas em nada contribuiu para o nosso combalido futebol. Sequer nossos árbitros apitam grandes jogos dos Brasileiros, e olhe que já tivemos até 4 na primeira linha. Faltou e falta preparação nos últimos 18 anos.

Para se ter uma ideia, os campeonatos da segunda divisão de estados como Alagoas, Pernambuco e Sergipe têm mais clubes que a Bahia. Alguns quase o dobro.

De Mário Filgueiras – Uma pequena observação: Dos regionais de todo Brasil, aqui é o único que as principais equipes tão com um time de transição.
Minha opinião é que eles estão tirando o charme e sabor de disputar um regional. Se fosse torcedor de um ou outro não iria ao estádio, só se fosse 0800.

Ficha Técnica

Local: Estádio Manoel Barradas

Quando: Hoje, 1º, às 16h

Árbitro: Bruno Pereira Vasconcelos

Assistentes: Alessandro Álvaro Rocha Matos e Elicarlos Franco de Oliveira (trio da Bahia)

Vitória – João Pedro; Welisson, Carlos, Nuno e Léo; Gabriel Bispo, Renzo, Nickson (Eduardo) e Caíque Souza; Levi e Eron. Técnico: Agnaldo Liz.

Bahia – Fernando; Lepu, Ignácio, Anderson e Mayk; Edson, Yuri (Ramon), Arthur Rezende e Gustavo; Alesson e Saldanha. Técnico: Dado Cavalcanti.