Candeias: Ala do PT exige discussão sobre possível nome para vice

131

A ala que se considera mais progressista do PT (Partido dos Trabalhadores), em Candeias, na Região Metropolitana a 46 km de Salvador com 64 mil eleitores, decidiu criar uma tendência interna local para fortalecer a construção popular e participativa do partido.

Essa tendência, que já vem sendo desenhada há algum tempo, é contra a indicação de Marivalda da Silva como vice-prefeita na chapa do atual autarca, e preferiu se abster da votação de domingo, 23/08, que indicou a ex-vereadora e secretária municipal em 4 pastas num só mandato (um recorde),  para compor a chapa, entendendo que não houve um processo de diálogo participativo.

Denominada de “PT de Todos Nós”, a tendência afirma que não existe rejeição na escolha de dialogar com o prefeito, mas sim, na maneira de como foi construída esse apoio, inclusive ao nome de Marivalda.

A tendência afirma que a proposta é fortalecer a renovação e popularização na base do partido.

Com nomes como o vice-presidente, Junior França, o secretário de Comunicação, Gel Abençoado, a secretária de Juventude, Vanúbia Pereira, e a secretária de Finanças, Cláudia Santos, a tendência visa construir um diálogo com a sociedade como eixo central de reconstrução do PT em Candeias que vive sob a égide de um grupo mais antigo. A tendência conta ainda com apoio diversos integrantes do Diretório e outros filiados (as), totalizando mais de 100 (cem).

Silêncio n cúpula

O presidente do Diretório Municipal do PT e secretário de Justiça e Direitos Humanos do Estado, Carlos Martins, até o momento não se manifestou sobre o assunto. Na mesma linha de Martins, o prefeito autarca também prefere não falar sobre o candidato a vice, mas informações dão conta que, caso o Avante marche com ele, um dos temas do acordo será apontar um nome do partido para ficar com a vaga de vice.

Questões futuras

Marivalda ainda pode enfrentar questionamentos jurídicos caso seja candidata a vereadora, pois a exoneração da Secretaria ocorreu com efeito retroativo em 6 de abril, e o limite era 4 de abril (um sábado). Além disso, a posse da irmã Márcia Gomes na Prefeitura pode determinar a inelegibilidade da mesma se a Justiça não tornar nulos os efeitos da decisão da Câmara de Vereadores no caso da investigação da compra dos respiradores.

COMPARTILHAR