Candeias: Impasse marca eleição de Lucimeire Magalhães para presidente da Câmara

836
Lucimeire Magalhães, presidente eleita da Câmara de Candeias

Uma ação ‘não honesta de um dos vereadores’ – foram colhidos 18 e não 17 votos que é número de edis – fez anular a primeira votação que começou com 1h22min de atraso já que estava prevista para às 9h. Só isso já irritava quem estava no auditório da Câmara Municipal de Candeias, cidade na Região Metropolitana 46 km de Salvador.

Inicialmente, a demora seria atribuída a uma ação ajuizada com mandado de segurança para mudar o rito eleitoral permitindo cédula única e duas urnas. O Regimento fala em duas cédulas, urna única e escolha individual de presidente, vice e os dois mesários.

A presença das Polícia Civil e Militar, que chegaram por volta da 11h no recinto da Câmara, a pedido do presidente Fernando Calmon, também é algo que deve ser repensado pelos vereadores, representantes eleitos pelo povo, mas que sequer conseguem obedecer às Leis que votam, o se omitem não mudando um regimento interno retrógrado, atrasado e conveniente. As Polícias deveriam estar nas ruas combatendo o crime e não colocando ordem em homens e mulheres eleitos para criar e respeitar leis.

Importante frisar também que o vereador Diego Maia, do PR, apresentou emenda neste sentido, mas, a pedido de outros edis, retirou o projeto.

Erro ou manobra?

Ao começar a sessão, o presidente pediu que os que fossem candidatos se manifestassem.

Inicialmente, após questão de ordem do vereador Arnaldo Araújo, o vereador Sílvio Correia se apresentou seguido de Arnaldo.

Houve uma pausa na sessão, e na volta para iniciar a votação com nomes de Arnaldo e Sílvio, Lucimeire Magalhães colocou-se como candidata à Presidência, seguida de Rita Loura. Arnaldo e Rita retiraram as candidaturas.

Depois do impasse, Sílvio e Lucimeire concorreram. Na apuração, Lucimeire teve 10 votos contra 8 Sílvio, mas surge a questão: quem votou duas vezes já que a Câmara tem somente 17 vereadores?

Nesse meio, a Justiça despachou liminarmente determinando que a votação fosse em cédula única.

Retirada

Mais uma vez pausa porque teria que ser consultado o RI para saber qual seria quórum do segundo escrutínio. Na segunda votação, sem a presença daqueles que votariam em Sílvio Correia que abandonaram o plenário, houve erro de português na cédula e, de novo, foi anulada.

Na terceira e última votação, Lucimeire Magalhães foi eleita presidente com 9 votos 0 e Fernando Calmon vice. Arnaldo Araújo e Valdir Cruz completam a Mesa Diretora como secretários.

Lucimeire

Eleita para o segundo mandato na base da ex-prefeita Tonha Magalhães, derrotada em 2016, a vereadora é do PTC e irmã da ex-prefeita Amiga Ju, cassada em 2008.

Ele vai administrar a Câmara nos anos de 2019 e 2020, e uma mulher volta a presidir a Casa Legislativa de Candeias depois de quase duas décadas.

Lucimeire que votou na base do prefeito nos últimos meses, mas preferiu ser candidata contra o nome que teria o apoio de Pitagoras Ibiapina. Resta saber se ela vai continuar na base do prefeito.

COMPARTILHAR