Candeias: Mesmo com pandemia, secretária demitiu médicos de ultrassom

432
Hospital José Mário dos Santos (Ouro Negro) / Candeias/BA

Em e-mail encaminhado aos diretores da Secretaria de Saúde diretora médica do Hospital Ouro questiona como proceder com o afastamento de todos os médicos de ultrassom no começo de maio

Pense no absurdo, na Bahia tem precedentes. Pense em outro, assim como o petróleo, nasceu em Candeias”. A frase dita tantas vezes pelo ex-governador da Bahia, Otávio Mangabeira, se aplica perfeitamente à gestão da cidade, na Região Metropolitana a 46 km de Salvador.

Os primeiros casos de coronavírus (covid-19) acontecerem em meados de abril, e de lá para cá são 18 mortes e mais de 355 casos, mas no começo de maio em e-mail que a redação do Tudo News teve acesso – e já circula nas redes sociais -, a supersecretária de Saúde e Assistente Social, primeira-dama e assistente social, Soraia Cabral, teria determinado a demissão (afastamento) dos médicos de ultrassonografia.

No documento, a diretora médica do hospital, Betânia Pinto (que está de quarentena por ter contraído covid-19), informa que foi comunicada pelo RH (Recursos Humanos) do Hospital José Mário dos Santos (Ouro Negro) que seriam afastados todos os médicos de ultrassom da unidade.

Argumenta que, na unidade, mesmo com os serviços de ambulatório temporariamente suspensos, realiza exames de ultrassonografia, principalmente de cirurgia e obstetrícia, e de urgência.

Ainda segundo o e-mail, no Ouro Negro seriam realizados por dia, em média, 5 exames de USG.

A diretora médica pede orientação como proceder a partir daquele momento, pois não contaria mais com aqueles profissionais.

Outras ausências

Segundo ainda informações de bastidores também o aparelho de eletrocardiograma (ECG) teria sido desativado nesse período, e quem chega no Hospital José Mário dos Santos (Ouro Negro) com suspeita de  IAM (Infarto Agudo do Miocárdio) não teria como ser realizado o exame.

 

COMPARTILHAR