Candeias: Secult reúne mestres e regentes de fanfarras e Lira Candeense

544

O secretário de Cultura, Turismo e Juventude, Cássio Vinícius, da Prefeitura de Candeias, promoveu uma reunião setorial com mestres, regentes de Fanfarras e maestro da Filarmônica Lira Candeense, fundada em 1921. A pauta do encontro foi o alinhamento das políticas culturais a ser adotada por esse segmento tão importante para o desenvolvimento social da cidade tais como:

– Ensaio geral das Fanfarras e da Filarmônica na Praça Dr. Gualberto, ainda no mês de abril, visando aproximar o público dessa arte, tornando-a mais acessível a população;

-Formação para mestres e maestros de Candeias a ser ministrado pelo Neojibá- Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia;

– Discussão de programação de inclusão nas Fanfarras para portadores de necessidades especiais;

– Visita da equipe da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SDHDS) e do maestro da Neojibá, designada pelo Secretário Carlos Martins para diagnóstico, avaliação e produção de relatório técnico sobre a real situação das fanfarras e da Filarmônica Lira Candeense para apontar os investimentos necessários e a criação de programa específico de formação para músicos, com o objetivo de potencializar as atividades desse segmento cultural, ampliando o raio de atuação e o impacto direto e indireto na cidade;

– Curso de Formação em Lutheria, que consiste na técnica de reparo, reforma e manutenção dos instrumentos musicais.

O prefeito Dr. Pitagoras entende que “Uma cidade rica culturalmente só é possível quando os vários segmentos culturais são ouvidos, tendo, na medida do possível, as demandas atendidas, e que todas as ações provenientes dos agentes culturais tenha conexão com o povo”.

O secretário de Cultura, Turismo e Juventude, Cássio Vinícius, explica que já tem a programação definida para fazer encontros setoriais com todos os segmentos da cultura do município. Para ele “não existe política pública cultural pensada de maneira unilateral. A cultura vem do povo e é para o povo, devendo ser pensada conjuntamente com todos os envolvidos, para ser o mais democrático possível, sem priorizar um segmento em detrimento de outro, como sempre foi feito no passado da nossa cidade”.

COMPARTILHAR