Candeias: Sindicato e Aspecan denunciam descaso com a Educação

44
Foto: Tudo News (arquivo, mas atual)

O caos nas escolas (abandonadas e sucateadas), professores e profissionais desprezados e alunos desrespeitados são marcas da atual gestão

Desde o começo da atual administração municipal, em 2017, e reeleita em 2020, o caos é o mesmo. Mesmo com o recebimento de R$ 117 milhões dos precatórios (ainda aplicados e rendendo para banqueiros) nada mudou em mais de 4 anos. Fotografias tiradas há 3 anos podem ser consideradas atuais e denúncias não faltam como as que ocorreram há um mês feitas pelas vereadoras Amiga Ju e Tânia Batista, ambas do DEM, por meio de um vídeo.

Porém, o que menos importa para o prefeito que é médico (e não “passador de receita”) é o bem-estar da população de Candeias, onde, além de escolas, postos de saúde e repartições públicas mais parecem prédios em cidades onde o país está em guerra civil como Iraque e Síria, ou ainda nações paupérrimas da África.

As entidades (Sindicato dos Servidores Municipais de Candeias e Associação, já mencionada) pedem respeitam a todos: alunos, professores e profissionais, além de participar do processo de discussão dos eventos que envolvem a Educação, o futuro de Candeias.

NOTA DE REPÚDIO

Nós da Associação dos Profissionais de Educação de Candeias (ASPECAN) repudiamos a ação negligente da gestão municipal perante ao início do ano letivo.

É preciso uma postura que dê o devido suporte à categoria para dar continuidade ao desafio da efetivação do ensino remoto.

Pensar a autonomia ou independência da gestão escolar é muito mais do que simplesmente informar de última hora que são os gestores, coordenadores e técnicos os responsáveis pela “jornada pedagógica”;

A valorização da educação é muito mais do que dizer “levanta e anda”, a educação se dá pela orientação, as reflexões posteriores a esta é que dá início a uma visão e ação crítica independente.

Os profissionais da Educação trabalharam, trabalharam e trabalharam exaustivamente utilizando todos os seus recursos e ferramentas disponíveis e em muitos casos sem algum suporte técnico da secretaria no ano letivo anterior.

Pensar uma gestão diferente é agir diferente, garantindo melhores condições de trabalho aos profissionais de educação e uma prática inclusiva que garanta o acesso dos alunos que foram excluídos no processo anterior;

PREFEITO É PRECISO ABRIR DIÁLOGO E EFETIVAR AÇÕES!

Merecemos respeito, por uma live participativa e dialógica já.

COMPARTILHAR