Confiança empresarial atinge maior índice desde abril de 2014

444

O Índice de Confiança Empresarial (ICE), da Fundação Getúlio Vargas (FGV IBRE), subiu 1,5 ponto em janeiro e alcançou 94,9 pontos, o maior nível desde abril de 2014 (95,5 pontos). O resultado consolida os índices de confiança dos quatro setores: Indústria, Serviços, Comércio e Construção.

A maior contribuição para a alta do índice no último mês foi dada pelo setor de Serviços (1,2 ponto) seguida pelos setores da Construção (0,2 ponto) e Comércio (0,1 ponto). A confiança industrial ficou estável no mês.

“A confiança empresarial inicia o ano em alta e com sinais favoráveis à continuidade da recuperação da economia brasileira. Há expressiva disseminação setorial da alta e melhora das avaliações sobre a situação atual”, afirma Aloisio Campelo Jr., superintendente de Estatísticas Públicas do FGV IBRE. Para essa pesquisa, foram coletadas informações de 4946 empresas entre 02 e 26 de janeiro.  A próxima divulgação do ICE será no dia 1º de março.

Medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o Índice de Confiança de Serviços (ICS) avançou 2,4 pontos em janeiro para 91,8 pontos. Esse é o maior nível para o indicador desde julho de 2014, quando o Brasil ainda enfrentava sua pior recessão.

FGV: confiança do setor de serviços avança em janeiro

De acordo com o levantamento, feito com quase 2 mil empresas do setor de serviços, dois fatores explicam esse resultado: as avaliações quanto à situação atual estão mais positivas, assim como a expectativa para os próximos meses. No primeiro caso, o Índice da Situação Atual (ISA-S) marca onze meses seguidos de alta e, no segundo caso, o índice que mede as expectativas atingiu 99,1 pontos, o maior nível em três anos.

“A alta da confiança de Serviços em janeiro decorre de avaliações mais positivas tanto em relação ao período corrente quanto das perspectivas de curto prazo […] Esta maior convergência das avaliações dos empresários reforça o cenário de continuidade da recuperação da economia nos próximos meses”, avalia a economista da instituição, Itaiguara Bezerra.

COMPARTILHAR