Deputada suspeita de mandar matar o marido não será secretária da Mulher na Câmara

73
Deputada federal Flordelis (PSD/RJ) / Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

Acusada de ser a mandante do assassinato do marido, mostra que a indicação ocorreu na terça-feira, 2; porém, todas as 79 parlamentares receberam tal atualização em nos perfis das redes sociais

Um dia após celebrar a vitória de Arthur Lira como novo presidente da Câmara dos Deputados, a deputada federal Flordelis dos Santos da Silva (PSD), que enfrenta processo disciplinar e pode perder o mandato, viu o nome ser envolvido em uma polêmica nesta quarta-feira, 3/2: no perfil dela no site da casa, consta que ela foi nomeada como nova titular da Secretaria da Mulher.

Entretanto, a informação, inserida na página nesta terça-feira, 2, foi desmentida por integrantes da Bancada Feminina. “Ela (Flordelis) nunca se colocou e nem é candidata quando formos realizar a eleição que deve ocorrer no final de março“, explicou a deputada Professora Dorinha, coordenadora da bancada feminina e atual secretária.

O que ocorreu de fato foi a inclusão da informação no perfil de todas as 79 parlamentares. Criada em 2013, a Secretaria da Mulher uniu a Procuradoria da Mulher, criada em 2009, e a Coordenadoria dos Direitos da Mulher, que representa a Bancada Feminina, agrupamento suprapartidário integrado por todas as deputadas.

Caso passasse a integrar a Secretaria, a pastora aumentaria p rol de participações dentro da Câmara. Atualmente, ela é titular da Bancada do Rio de Janeiro e da Subcomissão de Combate à Pedofilia, Adoção e Família, algumas das principais bandeiras na carreira política, além de integrar a Frente Parlamentar Mista Pelo Fortalecimento do SUS.

COMPARTILHAR