Eduardo Cunha estaria disposto a delatar para a nova procuradora-geral

451

O ex-deputado Eduardo Cunha falou pela primeira vez desde que foi preso, em entrevista publicada pela revista Época neste final de semana. “Sou um preso político”, disse Cunha. que também comentou sobre a vida na prisão, da negociação frustrada de delação com o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e do que ele considera uma perseguição judicial contra ele. Ele Acusa a existência de um mercado de delações premiadas, e colocou-se à disposição da sucessora de Janot, Raquel Dodge, para voltar a negociar.

Cunha foi condenado em primeira instância e responde a processos por corrupção em Curitiba, Brasília e no Rio de Janeiro.

“Estou pronto para revelar tudo o que sei, com provas, datas, fatos, testemunhas, indicações de meios para corroborar o que posso dizer. Assinei um acordo de confidencialidade com a Procuradoria-Geral da República, de negociação de colaboração, que ainda está válido. Estou disposto a conversar com a nova procuradora-geral. Tenho histórias quilométricas para contar, desde que haja boa-fé na negociação”, apontou.

Para Cunha, está claro que não houve boa-fé na negociação da delação dele com Janot.  “Nunca acreditei que minha delação daria certo com o Janot. Tanto que não deu”, afirmou. “Topei conversar para mostrar a todos que estou disposto a colaborar e a contar a verdade. Mas só uma criança acreditaria que Janot toparia uma delação comigo. E eu não sou uma criança. O Janot não queria a verdade; só queria me usar para derrubar o Michel Temer”, completou.

Questionado sobre a afirmação de que Janot só estaria interessado em “derrubar o Michel Temer”, Cunha responde: “Tenho muito a contar, mas não vou admitir o que não fiz. Não recebi qualquer pagamento do Joesley  [Batista, dono da JBS] para manter silêncio sobre qualquer coisa. Em junho, quando fui depor à Polícia Federal sobre esse episódio, disse que tanto não mantinha silêncio algum que ninguém havia me chamado a colaborar, a quebrá-lo. Naquele momento, o Ministério Público e a Polícia Federal me procuraram para fazer colaboração. Autorizei meus advogados a negociar com o MP.”

Cunha alega que Janot queria que ele “colocasse mentiras na delação para derrubar o Michel Temer”. “Se vão derrubar ou não o Michel Temer, se ele fez algo de errado ou não, é uma outra história. Mas não vão me usar para confirmar algo que não fiz, para atender aos interesses políticos do Janot. Ele operou politicamente esse processo de delações.”

“O Janot, na verdade, queria um terceiro mandato. Mas seria difícil, tempo demais para um só”, diz o deputado preso. “O Joesley fez uma delação seletiva, para atender aos interesses dele e do Janot. Há omissões graves na delação dele.”

“A maior prova de que Janot operou politicamente é que ele queria que eu admitisse que vendi o silêncio ao Joesley para poder usar na denúncia contra o Michel Temer. Não posso admitir aquilo que não fiz. Como não posso admitir culpa do que eu não fiz, inclusive nas ações que correm no Paraná. Estava disposto a trazer fatos na colaboração que não têm nada a ver com o que está exposto nas ações penais. Eles não queriam.”

COMPARTILHAR