Ferramenta ajuda verificar sinal de telefonia móvel em cada cidade

125
Foto: Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações)

Com Painel Cobertura Móvel, é possível, por exemplo, ajudar os usuários na escolha da melhor operadora que atua em cada município

Uma ferramenta que mostra a cobertura do sinal da telefonia móvel em todo o Brasil. É o Painel Cobertura Móvel, que permite ao consumidor pesquisar e verificar a existência de sinal 3G ou 4G oferecido pelas operadoras móveis nos municípios. O painel passou a ser oferecido, neste mês, pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

O recurso traz ao consumidor todo o mapeamento, em manchas, da presença dos sinais da telefonia e banda larga móvel no local onde mora, no trabalho, nas ruas por onde circula, em toda a cidade.

Na prática, a ferramenta pode ajudar, por exemplo, o usuário na hora de escolher qual operadora quer se fidelizar ou qual destino vai escolher ao fazer uma viagem de férias, caso deseje manter-se conectado.

O chefe da assessoria técnica da Anatel, Humberto Pontes, explica que um dos pontos interessantes é identificar se naqueles lugares onde a pessoa passa mais tempo existe cobertura adequada. “Em especial dos serviços de 4G, por exemplo, que conseguem entregar de fato uma capacidade de dados que a pessoa consegue ver vídeos, realizar chamadas em videoconferência, consegue ver uma aula ou realizar uma teleconsulta”.

Transparência

Basicamente essa ferramenta traduz e torna mais simples o acesso às informações de cobertura dos serviços móveis do Brasil. Cada uma das prestadoras individualmente já disponibiliza em seus sites a cobertura que ela oferece nas tecnologias 2G, 3G e 4G. A Anatel, então, conseguiu reunir por meio dessa ferramenta e realizar predições, ou seja, ela fez um cálculo baseado nos melhores modelos internacionais para tentar estimar a cobertura com todos os critérios técnicos, frequência, altura de antena, potência e etc.”, acrescentou Humberto Pontes.

A ferramenta tem como principal objetivo oferecer ao consumidor maior transparência e informação. “Mais do que nunca, essa é uma ferramenta que empodera o usuário, empodera o decisor público pra que a gente possa avançar na conectividade do Brasil”, afirmou Pontes.

Além de oferecer transparência, o Painel pode ajudar instituições de pesquisa e órgãos públicos a fazerem estudos e proporem políticas públicas voltadas à expansão da banda larga móvel e das Tecnologias da Informação e Comunicação no país.

Sinal nas rodovias

A ferramenta também traz informações sobre a cobertura do sinal da telefonia móvel nas rodovias, o que ajuda as empresas e o transporte autônomo de cargas a ter controle e a rastrear os veículos.

Wilian Coelho é motorista de caminhão. O veículo dele está equipado com sistemas de rastreamento e filmagem, mas, como contou, nada disso funciona sem internet. “Não adianta toda a tecnologia do caminhão, se não tiver a área de internet. É muito ruim a gente ficar nos trechos sem internet. Espero que dependendo dos anos que passar, a tecnologia for se inovando, melhore ainda mais para nós, caminhoneiros”.

Cobertura no país

Segundo a Anatel, atualmente, todos os municípios brasileiros possuem acesso à telefonia móvel e 91,2% possuem sinal 3G ou 4G. Em relação à malha rodoviária pavimentada de jurisdição federal, 46% conta com sinal 3G ou 4G.

O chefe da assessoria técnica da Anatel, Humberto Pontes, ressaltou que a cobertura 5G, na medida que for implantada no país, também será incluída na plataforma. Uma das obrigações previstas para o leilão do 5G, previsto para este ano, é ampliar a cobertura de internet em até 48 mil quilômetros da malha viária brasileira.

“Essa ferramenta está sendo amplamente utilizada pra identificar exatamente essas localidades que hoje não possuem nenhum tipo de sinal ou que possuem um sinal com uma qualidade deficiente pra que a gente possa atuar nessas localidades, estabelecendo compromisso de cobertura pra que isso seja escalonado ao longo do tempo e possa ser devidamente atendida a sociedade com a conectividade que é tão importante para este momento de crise sanitária e também para alavancar a transformação digital e por consequência nosso desenvolvimento econômico e social”, frisou.

Fonte: gov.br

COMPARTILHAR