IBGE divulga questionários para o Censo 2020

1164

Censo experimental será realizado em outubro em Poços de Caldas (MG)

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou ontem (1º) detalhes sobre o Censo Demográfico 2020. O questionário básico, a ser aplicado em cerca de 71 milhões de domicílios, conta com nove blocos, subdivididos em 26 questões. Já o questionário da amostra, mais detalhado, tem 17 blocos, subdivididos em 76 questões. Por ser mais extenso, ele será aplicado em cerca de 7,1 milhões domicílios particulares permanentes do país.

Para o diretor de pesquisas do IBGE, Eduardo Rios Neto, o questionário básico contempla aspectos centrais, como a contagem de domicílios e da população, incluindo análises por idade e sexo. “Além disso, a gente manteve a pergunta sobre mortalidade, uma pergunta que havia dúvidas no debate [durante a preparação dos questionários] e, por causa da centralidade do envelhecimento populacional, preservou-se”, disse, em entrevista à Agência Brasil.

Rios Neto comentou que ficou fora do questionário a pergunta sobre emigração. Houve mudanças também no que se refere à renda. “Em 2010, ela foi colocada para todos os indivíduos da população e, em 2000, era só para a pessoa responsável pelo domicílio. Então, isso faz uma diferença – coletar de três a quatro pessoas para uma pessoa. Agora, em 2020, optou-se por coletar pela pessoa responsável”, observou.

O diretor negou que a redução tenha sido por questão econômica. “A razão disso foi para encurtar o tempo de entrevista do questionário básico. Se comentou que a razão seria econômica, mas a razão principal é para facilitar coletas alternativas, principalmente em domicílios de difícil contato”, pontuou.

De acordo com Rios Neto, houve cortes também no questionário da amostra. “Em 2010, ele sofreu algumas alterações que prejudicaram. Por exemplo: o cálculo dos anos de estudo. Não era possível calcular os anos de estudo das pessoas. Em 2010, se calculava as faixas, mas não se conseguia saber, por pessoa, os anos concluídos. Parece uma bobagem, mas acabou prejudicando um número grande de análises que deveriam ter sido feitas. Então, em 2020 a educação permite fazer o cálculo de anos de estudos”, comparou.

Com relação a retirada de quesitos relacionados a bens duráveis, como televisão, geladeira e automóveis, o argumento, de acordo com o diretor, é que outras pesquisas do IBGE já fornecem esse tipo de informação. “Elas [as informações] são obtidas trimestralmente nas PNAD [Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios]. Toda a bateria de bens de consumo é pesquisada pelo IBGE”.

O diretor admitiu que houve uma grande controvérsia sobre a retirada do item valor de aluguel do censo. “Esse item não foi coletado também sob o mesmo argumento – de que é coletado trimestralmente na PNAD contínua. Nada que uma boa análise técnica não possa resolver”, concluiu.

Temas

O Censo 2020 vai pesquisar, entre outros, temas como características dos domicílios, identificação étnico-racial, núcleo familiar, fecundidade, religião ou culto, deficiência, deslocamento para estudo, trabalho e rendimento.

O diretor elogiou a versão final dos questionários no que se refere à renda dos brasileiros. “A gente conseguiu manter a renda de trabalho, a de não trabalho e a de todos os trabalhos para quem tem mais de uma renda. A de não trabalho significa Bolsa Família e qualquer tipo de transferência ou, para uma pessoa rica, a transferência de capital. Nisso, ficou mais simplificado do que em 2010, quando o censo detalhava muito e gastava muito tempo na entrevista”.

Rios Neto acrescentou que, no Censo 2020, foi incluído o item natureza da união, permitindo preservar parte da questão que tratava de estado civil e que foi retirada. “Na natureza da união, a gente fica sabendo se a pessoa está unida no civil e no religioso, só no religioso ou em união consensual. Essa parte tinha sido retirada e conseguimos trazer de volta”.

“Na minha avaliação, a despeito de muita gente ter enfatizado o contrário, o questionário da amostra demonstra muito bem que todas as variáveis demográficas, a mortalidade, a fecundidade e a migração estão bem contempladas e um grande número de variáveis socioeconômicas associadas com a educação e a renda também estão contempladas”, completou.

Censo experimental

Em outubro deste ano, o IBGE vai aplicar os questionários básico e da amostra numa espécie de censo experimental a ser realizado no município de Poços de Caldas (MG). “Será um ensaio geral do censo em um município só. Vamos enfatizar na logística”.

O Censo 2020 vai coletar informações em todos os 5.570 municípios brasileiros. Cerca de 180 mil recenseadores serão contratados, em regime temporário, por meio de processos seletivos, em todos os 27 estados do país. Entre os meses de agosto a outubro de 2020, os recenseadores vão visitar os domicílios de modo a retratar os principais aspectos da população brasileira, estimada em 213 milhões de habitantes.

“Aceitei o desafio do cargo exatamente porque estava com medo de chegarmos a um impasse e eu achava que era possível ter uma solução de compromisso que, se não fosse aquela que contemplasse todas as perguntas que todo mundo queria, pelo menos, garantisse que o censo fosse cumprido no prazo e com qualidade.”

“Estou seguro que essa qualidade está garantida. Quer dizer que 100% das demandas foram atendidas? Não. Seria mentira se eu falasse que sim. Mas diria que a gente está com 80% das demandas atendidas – inclusive levando em conta a tendência mundial de cada vez mais ter pesquisas menores. A gente foi até conservador no número de cortes”.

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

COMPARTILHAR