Ipirá: Mesmo exonerada secretária ainda assina documentos do Social

171

Pense no absurdo (dizia o ex-governador Otávio Mangabeira – acontece na Bahia)… e acontece também em Ipirá, cidade da Bacia do Jacuípe a 210 km de Salvador, com 63 mil habitantes, receita em 2017 de R$ 128 milhões e administrada pelo advogado Marcelo Brandão, do DEM, que no passado chamava as gestões anteriores de “malamanhada” por falhas e erros considerados grosseiros, e agora está duplicando em ações bobas e, para dizer a verdade, “infantis” ou “convenientes”.

O superfaturamento na compra de alimentos que devem servir à alimentação escolar e aos órgãos e entidades públicos como pagar 300% a mais por um Adocyl de 100 ml R$ 9,47 quando no mercado sai a unidade até por R$ 2,29, descaso com o Centro de Abastecimento – quando “apresentador” na rádio da família considerava de “aborrecimento”, o abandono do Mercado de Artes, que envergonha os ipiraenses e infelicita dezenas de famílias e artesãos, a obra que nunca acaba nem recomeça da Praça São José, conhecida também como Praça do Puxa, e as centenas de buracos porque o “Choque de Ordem” virou piada na cidade, são alguns dos maus exemplos da gestão que, ao contrário do slogan “Orgulho de Viver Aqui”, deixa contrariados aqueles que ouviram tantas promessas que hoje são demagogia e sofisma.

Mas, para agravar ainda mais os desmandos de um desgoverno com cara de desmotivado e sem esperança para o povo, mais um ato da gestão deixa estarrecidos os que votaram e os que um dia acreditaram nas palavras do “Moisés da terra arrasada”.

No último dia 10, o Diário Oficial de Ipirá publicou a exoneração a pedido da secretária de Assistência Social, Denise Santos Freitas. Até aí nada de anormal. Ontem, porém, os vereadores receberam um ofício (fotos abaixo) da Secretaria datado de 14 de maio, portanto, quando a Sr.ª Denise não era mais responsável pela pasta, mas assinado por ela.

Atualmente, responde interinamente pela Secretaria de Assistência Social, dentro da retomada da linha de nomeação nas prefeituras da Bahia de familiares e parentes, a mulher do prefeito, Andréa Brandão, de acordo com o decreto 056, publicado no DO de Ipirá.

Incrédulos, os vereadores de oposição passaram a questionar a validade do documento e se perguntar uns aos outros se eram idênticos os ofícios com tamanho erro.

Constatada a veracidade, a imprensa teve acesso aos documentos encaminhados aos vereadores Devetal Brandão, líder da oposição, e Weima Fraga, que não sabiam se riam ou se lamentavam profundamente o descontrole da coisa pública que virou marca da gestão Marcelo Brandão, que deixa claro porque chamava os antigos prefeitos de “malamanhados”. Ele pratica hoje o que criticava durante 12 anos pela rádio.

Obs.: O ofício fala e pede o engajamento de todos para do dia de Luta pelos direitos das crianças e adolescentes brasileiros. Há 45 anos, a menina Araceli foi sequestrada, violentada e morta em Vitória, no Espírito Santo. O evento vai ser no dia 18, na Coordenadoria de Educação, a partir das 8h.

Cópias dos ofícios:

COMPARTILHAR