Ministro do TSE fica de costas durante o hino e tenta se explicar

764

Episódio aconteceu durante a diplomação de Bolsonaro e revoltou alguns internautas. O ministro, Admar Gonzaga, explicou que estava voltado para a bandeira nacional

Uma foto do ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga viralizou, na segunda-feira, 10, porque o magistrado parecia ter ficado de costas durante a execução do Hino Nacional, na cerimônia de diplomação do presidente e vice-presidente eleitos Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão.

À mesa, estavam outros membros dos Três Poderes, todos virados para a plateia. Gonzaga era o único mirando o lado oposto. Nas redes sociais, muitos internautas questionaram e se surpreenderam com o ato do magistrado. Alguns acharam que o gesto foi “antipatriota” e criticaram o ministro.

Por causa da repercussão, o TSE se manifestou sobre o ocorrido, ao responder uma internauta. A Justiça Eleitoral informou que o magistrado, na verdade, não estava “de costas” para o hino, mas sim “de frente” para a haste da bandeira, em sinal de respeito.

A reação de internautas:

Perfil

Formado em direito pelo Centro de Ensino Unificado de Brasília, foi servidor do Banco do Estado de Santa Catarina (1980 a 1982), datilógrafo (1983 a 1984) e assistente legislativo (1985 a 1987) da Câmara dos Deputados, além de analista técnico legislativo, tendo sido cedido ao Senado Federal e lotado na liderança do Democratas (DEM), na qual funcionou como assessor legislativo na Assembleia Nacional Constituinte de 1987.

Iniciou em 1993 a atividade de advogado e foi assessor jurídico (1995 a 1996) e delegado nacional (1996 a 1999) do então Partido Progressista Brasileiro (atual PP), assessor jurídico (1999 a 2000) e delegado nacional (2000 a 2005) do Partido da Frente Liberal (PFL), e assessor jurídico do DEM (2006 a 2008). Também foi o advogado da conversão do partido PFL para o DEM e da criação do Partido Social Democrático (PSD).

Em 1998 advogou para a campanha da reeleição de Fernando Henrique Cardoso, e em 2010 advogou para a campanha de Dilma Rousseff.

COMPARTILHAR