MPE quer impedir extração mineral na Serra do Tombador

92
Foto: Ascom MPE/BA

O Ministério Público estadual protocolou quatro ações civis públicas contra extrações minerais ilegais de arenito realizadas na Serra do Tombador, com pedido liminar de paralisação das atividades sem licença ambiental nem título autorizativo da Agência Nacional de Mineração. O MP requer indenizações, recuperações e compensações ambientais na ordem de R$ 8.549.234,00. As ações, de autoria do promotor de Justiça Pablo Almeida, foram duas em Jacobina e duas em Miguel Calmon, cidades do centro-norte baiano.

O promotor de Justiça explicou que as ações foram motivadas pela comprovação de “graves danos ao meio ambiente e à paisagem local”, inclusive em APP (Áreas de Preservação Permanente), bem como a pinturas rupestres e a remanescentes da Estrada Real da Bahia. Esses prejuízos, conforme Pablo Almeida, teriam sido provocados pela exploração mineral ilegal na Serra do Tombador. “Com as ações, o MP requer a paralisação imediata das atividades ilícitas”, afirmou o promotor.

As ações são desdobramentos da 44a etapa da FPI (Fiscalização Preventiva Integrada), realizada na região em 2019, quando foram flagradas extrações minerais sem licença ambiental, sem autorização de extração da Agência Nacional de Mineração e sem as anuências Cecav (Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas) do ICM (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) e do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), “necessárias por conta da ocorrência de cavernas, de materiais de interesse arqueológico e de fósseis importantíssimos no local”.

Fonte: Ascom MPE/BA

COMPARTILHAR