Nomeação tardia de aprovado em concurso público não gera indenização

146

Quando o aprovado em concurso público é nomeado tardiamente por determinação judicial, não há dever de indenizar. Com esse entendimento, a 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba negou indenização por danos morais e materiais a um servidor de Alagoa Grande (PB).

Às vésperas do fim do prazo de validade do concurso, o homem foi convocado para assumir o cargo de agente administrativo. Em seguida, o Ministério Público ajuizou ação civil pública para a nomeação dos aprovados. Foi firmado acordo e a convocação do autor foi estabelecida para oito meses depois da publicação do edital.

O servidor acionou a Justiça mesmo após ter tomado posse. O Juízo de primeira instância entendeu que a indenização não era devida, mesmo que a demora tenha sido fruto de erro reconhecido da Administração Pública.

O desembargador Oswaldo Trigueiro do Valle Filho, relator do processo no TJ-PB, mencionou tese do Supremo Tribunal Federal de Repercussão Geral nº 724.347. Segundo ela, “na hipótese de posse em cargo público determinada por decisão judicial, o servidor não faz jus a indenização, sob fundamento de que deveria ter sido investido em momento anterior, salvo situação de arbitrariedade flagrante“.

O fato de ter convocado o candidato e não ter sido realizada a sua nomeação de imediato, somente vindo a ser feito com a decisão judicial, não configura a hipótese de flagrante arbitrariedade do ente municipal. Não houve desrespeito à decisão judicial ou má-fé“, pontuou o magistrado. A decisão foi unânime.

Fonte: Conjur

COMPARTILHAR