Prefeito reconhece: ‘A nossa saúde é uma porcaria, mas está entre as melhores do Brasil’

420
Alexandre Kalil, prefeito de Belo Horizonte

Sincero, o ex-presidente do Atlético Mineiro admite que não presta bom atendimento à saúde da capital mineira

“Eu acho que a maior propaganda que nós temos da saúde de Belo Horizonte são as matérias que saem sobre a saúde das cidades do Brasil. Se você prestar atenção, e eu peço à população de Belo Horizonte para prestar atenção em todas as matérias nacionais sobre saúde, quer dizer, a nossa é uma porcaria, mas está entre as melhores do Brasil”. A análise é do prefeito da capital, Alexandre Kalil (PHS), em entrevista que foi na rádio Itatiaia na terça-feira, 12. No aniversário de 120 anos de Belo Horizonte, Kalil falou sobre a situação da cidade e os desafios para os próximos anos.

Questionado sobre os problemas nos centros de saúde de Belo Horizonte, como a demora no atendimento e a falta de medicamentos, tema de matérias do Estado de Minas nos últimos meses, Kalil assumiu a situação e disse não contar com ajuda do governo (governador de Minas Gerais é Fernando Pimentel, do PT). “Medicamento tem, falta esporadicamente. Acaba, não entrega. O estado não está entregando nada, não está cumprindo cota, não está fazendo nada, né? Nós estamos pegando dinheiro e tendo que cobrir Risoleta, Sofia, e Santa Casa, comprar fita de glicemia, comprar remédio de insulina”, disse o prefeito de Belo Horizonte.

Segundo ele, a solução do problema depende da vontade política. “Nós não vamos acabar com isso em um mandato, nem dois, e nem três. Isso é vontade política, cara. Se o cara não tiver coração, e tiver pouco se lixando, não vai resolver é nunca”, declarou o prefeito, citando que o Executivo municipal contratou mil médicos em 11 meses. “Nós já estamos entrando em todos os postos de saúde de Belo Horizonte. ‘Ah, mas tem um lá que tá faltando isso, ou outro tá caindo parede’. Tá (sic). É muito grande, gente. Pôr a cidade pra funcionar é duro, é difícil pra burro”, enfatizou.

COMPARTILHAR