Presidente do Facebook usa jornais para pedir desculpas por quebra de confiança

424
Mark Zuckerberg, presidente do Facebook Foto: Justin Sullivan/Getty

O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, pediu neste domingo (25) desculpas aos britânicos por meio de anúncios em página inteira em jornais da Inglaterra em que cita “quebra de confiança” depois que uma consultoria política obteve dados de 50 milhões de usuários da rede social.

“Temos uma responsabilidade em proteger suas informações. Se não conseguirmos, não merecemos”, diz o anúncio, assinado por Zuckerberg, também um dos fundadores do Facebook.

A maior rede social do mundo enfrenta cada vez mais desconfiança de governos e grupos da sociedade civil na Europa e nos Estados Unidos.

A publicação dos anúncios ocorreu depois de acusações feitas por um denunciante de que a consultoria britânica Cambridge Analytica acessou de maneira inapropriada informações de usuários do Facebook para construir perfis de eleitores norte-americanos que depois foram usados para ajudar a eleger o presidente Donald Trump em 2016.

O pedido de desculpas em texto preto em um fundo branco, com apenas um pequeno logotipo do Facebook, apareceu em publicações de domingo incluindo o The Observer – um dos jornais cujas reportagens sobre a questão mandaram os preços de ações do Facebook para baixo.

Zuckerberg disse que um aplicativo construindo por um pesquisador universitário “vazou dados de Facebook de milhões de pessoas em 2014”.

“Isso foi uma quebra de confiança, e eu sinto muito que não fizemos mais na época”, disse Zuckerberg, reiterando um pedido de desculpas feito primeiramente em entrevistas televisionadas nos Estados Unidos.

A Cambridge Analytica diz que inicialmente acreditava que os dados haviam sido obtidos de acordo com as leis de proteção de informações dos Estados Unidos, dizendo que eles foram apagados assim que o Facebook pediu. A consultoria diz que não usou os dados no trabalho que fez durante as eleições de 2016.

COMPARTILHAR