Rui deve aumentar contribuição do servidor para o Funprev

1116
Rui Costa, governador da Bahia

Governador, que durante a campanha disse que ia tudo bem na economia, agora apresenta conta aos baianos, principalmente servidores repetindo Dilma 2014

O governador Rui Costa (PT), reeleito com mais de 75% dos votos no primeiro turno em outubro, antecipou durante a reunião que teve na tarde de ontem com a bancada governista na Assembleia Legislativa, que vai enviar um projeto à Casa na próxima semana elevando de 12% para 14% a alíquota de contribuição de servidores à previdência estadual.

Diante da enorme surpresa dos parlamentares, Rui disse que esta é a única alternativa para enfrentar o déficit do setor, que já ultrapassou os R$ 3 bi e é considerado impagável pelo governo.

Sacrifício para servidores

De acordo com a oposição, desde 2016, os servidores públicos da Bahia não recebem reajuste dos salários e acumulam perdas de quase 10% (quinze por cento) pela inflação oficial sem os números deste ano.

Apesar disso, os gastos com mais de 400 viagens de helicóptero, publicidade (R$ 180 milhões) e nomeação de apadrinhados políticos somente cresce e não parou entre 2017 e 2018 até reeleição. Ano a ano, a inflação foi de: 2016 – 6,29%; 2017 – 2,95%, e a previsão para este ano é entre 4,4% a 4,9% por cento.

Desde a queda da presidente Dilma Roussef, afastada por impeachment pelo Congresso Nacional, que o governo baiano repatria aqueles correligionários do PT que estavam espalhados pelo Brasil, principalmente, Brasília.

Contas

Segundo a oposição, um servidor que ganha de vencimentos e vantagens R$ 2.600,00 depois de 30 anos de trabalho, paga de Planserv/Ass./Saúde R$ 232,70 e Funprev/Previdência: 12% R$ 311,72, ou seja, 21% da renda. Se tiver marido/mulher ou filho maior paga quase R$ 75 por cada um, o que eleva para quase 30%. O salário base é de R$ 889,00, menor que o salário mínimo nacional há dois anos.

COMPARTILHAR