STF considera constitucional cobrança de IPI de importados na revenda

233
Foto Ilustrativa

Colegiado do STF julgou constitucional a cobrança de IPI de importados na revenda Em julgamento virtual, o Supremo Tribunal Federal decidiu que cobrança do IPI na revenda de produtos importados é constitucional

A decisão foi provocada por recurso de uma empresa de Santa Catarina que questiona a dupla incidência do IPI nas operações de importação para revenda. Isso porque, além da saída do importador para revenda pelo país, o imposto incide no momento que o produto chega no Brasil.

A repercussão geral do tema foi reconhecida pelo Supremo em junho de 2016. Desde então, entraram como terceiras interessadas no processo a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), a Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) e a Abba (Associação Brasileira de Importadores e Exportadores de Alimentos e Bebidas).

Em sua manifestação, a Advocacia Geral da União argumentou que a a imposição do IPI na saída do estabelecimento do importador, ao contrário de trazer desequilíbrio, revela fator de equalização e estabilização do mercado nacional.

O relator, ministro Marco Aurélio, votou pela inconstitucionalidade da tributação. O magistrado concluiu que não deve incidir IPI na comercialização do produto importado, que não é antecedida de atividade industrial. Seu entendimento foi acompanhado pelos ministros Luís Roberto Barroso e Rosa Weber.

Os ministros Dias Toffoli, Alexandre de Moraes e Ricardo Lewandowsk, no entanto, divergiram do relator.

“Se não houvesse a incidência do IPI na segunda etapa, os produtos importados teriam uma vantagem de preço na competitividade com o produto nacional. Por isso, a legislação brasileira buscou estender tratamento equânime ao produto industrializado importado e ao similar nacional, resguardado, assim, o princípio da igualdade, da livre concorrência, e da isonomia tributária”, pontuou o ministro Alexandre de Moraes no voto.

A divergência foi acompanhada pelos ministros Luiz Fux, Cármen Lúcia e Gilmar Mendes. Não participou do julgamento o ministro Celso de Mello, que está afastado por licença médica.

Fonte: Conjur

COMPARTILHAR