WhatsApp adia obrigatoriedade da nova política de privacidade

304
Foto: Reprodução Internet

Depois de toda a polêmica envolvendo a nova política de privacidade do WhatsApp e depois de fazer dois esclarecimentos públicos sobre as mudanças – em especial, sobre o compartilhamento de dados com o Facebook –, a empresa decidiu adiar o prazo para que os termos entrem em vigor. As políticas, que seriam obrigatórias a partir do dia 8 de fevereiro, agora vão ser implementadas no dia 15 de maio, dando mais algumas semanas para que os usuários entendam as polêmicas alterações no aplicativo.

O comunicado foi dado no blog oficial do mensageiro. De acordo com a publicação, o WhatsApp pretende dar mais alguns meses para que todos revisem a nova política “gradualmente e em seu próprio ritmo”. Veja um trecho da declaração abaixo:

“Agora estamos retrocedendo a data em que as pessoas serão solicitadas a revisar e aceitar os termos. Ninguém terá sua conta suspensa ou excluída em 8 de fevereiro. Também faremos muito mais para esclarecer a desinformação sobre como a privacidade e a segurança funcionam no WhatsApp”.

A plataforma garante que, de forma contrária ao que tem circulado na web, o WhatsApp e o Facebook não têm acesso às suas conversas pessoais, devido à criptografia de ponta a ponta. O mensageiro também afirma não manter registros de conversas (em texto ou ligações) e alega não compartilhar informações sobre os seus contatos com o Facebook.

O Facebook prometeu que trabalhará para esclarecer dúvidas sobre as alterações dos termos de uso, destacando que eles se aplicam principalmente para os recursos integrados de compras com perfis de lojas e empresas no WhatsApp. A novidade se conecta à infraestrutura de pagamentos do Facebook, além disso, algumas lojas podem ser hospedadas pela empresa, o que leva a novos tipos de compartilhamentos de dados com a empresa Facebook, não necessariamente com a rede social.

O novo prazo não deve acalmar quem já se assustou com a notificação disparada pelo aplicativo, mas, ao que tudo indica, o WhatsApp percebeu que não informou de maneira adequada as suas mudanças — ou talvez o app tenha notado os primeiros sinais de uma migração para serviços rivais.

COMPARTILHAR